domingo, 31 de janeiro de 2016

Sobre ser trouxa.

Ser trouxa não é ser enganado por alguém. Não é alguém te dizer algo, você acreditar e descobrir depois que era mentira. Não, isso não é ser trouxa. Ser trouxa é se enganar.
Ser trouxa não é ter acreditado nos motivos de alguém, por piores que tenham sido, mas sim criar motivos para se convencer a acreditar nos tais motivos do tal alguém; é criar motivos para si mesmo para sustentar os motivos do outro.
Ser trouxa é saber que é mentira, saber que está sendo enganado, ter mil motivos para não acreditar e inventar um para acreditar e jogar todas suas fichas nele.
Ser trouxa é criar esperança numa causa que você mesmo sabe estar perdida; é igual apostar na loteria todos os dias: se ganhar, é porque deu sorte.
E não me venham com um "ah, vai que dá certo" ou com um "enquanto houver esperança, a causa não está perdida". Ok, talvez não seja mentira mesmo, talvez esse 0,1% de esperança funcione. Mas , querido, você foi trouxa. Pode ter sido a melhor coisa que fez na vida, mas foi.
Só não ache que é toda essa maldade do mundo que te faz trouxa; você pode até ser inocente, mas trouxa não.
Ser trouxa é essa ruindade de você com você mesmo. De te fazer sofrer aos poucos antes do grande sofrimento; de não ter coragem de aceitar que estão mentindo pra você; de ter medo de sofrer com a verdade. Ser trouxa é isso.
Então entenda que única pessoa que te faz um trouxa é você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Brindará também o surreal?